Empresas brasileiras perdem outra disputa no processo de privatização em Portugal


As empresas brasileiras saíram mais uma vez derrotadas no processo de privatização de companhias públicas de Portugal. O governo lusitano anunciou hoje (27) a venda de 95 % do capital da empresa responsável pelos aeroportos do país para um grupo francês (Vinci), que já tem a concessão de duas pontes rodoviárias sobre o Rio Tejo, em Lisboa.
 
A empresa ANA, Aeroportos de Portugal, era disputada, entre outros grupos internacionais, pela concessionária brasileira CCR (em parceria com o fundo Global Infrastructure Partners e a suíça Flughafen Zürich) e pelo consórcio Eama, liderado pela argentina Corporación América com a participação da brasileira Engevix.
 
De acordo com a Embaixada do Brasil em Portugal, é orientação do Palácio do Planalto tentar participar ao máximo do programa de privatização português, inclusive com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
 
Em menos de uma semana, esta é a segunda vez que empresas com capital brasileiro são rejeitadas pelo programa de privatização português. No último dia 20, o governo de Portugal resolveu adiar a privatização da companhia aérea estatal TAP.
 
Por falta de garantias, o Conselho de Ministros, integrado pelos ministros e secretários de Estado que formam o gabinete do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, rejeitou a proposta apresentada pela Synergy Aerospace, de propriedade do empresário brasileiro Germán Efromovich, única participante da privatização.
 
Em janeiro deste ano, as propostas da Eletrobras e a Cemig para aquisição da companhia elétrica EDP foram preteridas em favor de um grupo chinês que adquiriu a estatal.
 
Apesar dos revezes, empresas com capital brasileiro têm aumentado a participação na economia portuguesa. Este é o caso da operadora de planos de saúde Amil (que este ano comprou hospitais ligados ao braço de seguro do banco estatal Caixa Geral de Depósito); da Embraer (que adquiriu uma reparadora portuguesa de aviões), e do grupo Camargo Corrêa, que comprou uma empresa produtora de cimento.
 
A portuguesa ANA, que equivale à estatal brasileira Infraero, é responsável pelos aeroportos de Lisboa, Faro, Porto, Ponta Delgada, Santa Maria, da Horta, Flores e do terminal civil de Beja. O negócio foi fechado em mais de 3 bilhões de euros. Segundo a secretária de Estado do Tesouro de Portugal, Maria Luís Albuquerque, os franceses venceram porque apresentaram melhor oferta do “ponto de vista estratégico” e de valor mais elevado.
 
Com a venda da ANA, o programa de privatização português acumula 6,4 bilhões de euros. O dinheiro é fundamental para o processo de ajustamento de receita e despesa iniciado pelo governo português após a crise econômica na zona do euro.

Fonte: NetMarinha / 28/12/2012

                                       





Rua XV de Novembro, 137 - Centro Histórico, Santos / SP - CEP: 11010-151
E-mail: acs@acs.org.br - Telefone: (13) 3212-8200 - Fax: (13) 3212-8201

desenvolvido por marcasite