Associação Comercial de Santos faz parceria com B3 para laudo de classificação de café

Fonte: Departamento de Comunicação da ACS

A Associação Comercial de Santos (ACS) e a B3 (em referência às letras iniciais de Brasil, Bolsa, Balcão) – antiga Bovespa – firmaram parceria para o serviço de arbitragem de classificação de café. O primeiro trabalho foi concretizado na manhã desta terça-feira (19).

De acordo com o degustador e classificador da ACS, Onivaldo Ruas, essa parceria comprova a credibilidade da Associação Comercial. “A B3 é uma das pioneiras na classificação e certificação de café. Trazer para cá essa arbitragem mostra o quanto a casa é respeitada”.

Ruas explica que, durante a análise, é feito o processo de identificação padrão: cheiro, cor, aspecto, percentual de defeitos, procedência de colheita e, por último, a bebida. “Com essas avaliações, se cria o padrão de qualidade”.

Neste primeiro dia de amostra, três árbitros estiveram na sala de classificação e degustação da ACS para avaliar três lotes do tipo arábica. O classificador explica que para realizar a arbitragem a B3 escolhe seis árbitros, sendo três titulares e três reservas. “Caso um dos titulares não possa comparecer, já tem o reserva para fazer a análise”.

O processo de avaliação costuma ser rápido. “Nestes lotes fizemos a avaliação de manhã e enviaremos o laudo ainda hoje. Mas, temos o prazo de até dois dias para enviar o resultado”, explica.

Entenda para que serve o laudo

O classificador explica que o laudo, na maioria das vezes, serve para o produtor que quer constatar em qual tipo e classificação o café dele se enquadra. “A análise física e sensorial de um café vai determinar o seu valor no mercado e isso tem impacto direto sobre a remuneração do produtor. Para alcançar preços mais elevados é preciso produzir cafés melhores”.



Fonte: Departamento de Comunicação da ACS

 

A Associação Comercial de Santos (ACS) e a B3 (em referência às letras iniciais de Brasil, Bolsa, Balcão) – antiga Bovespa – firmaram parceria para o serviço de arbitragem de classificação de café. O primeiro trabalho foi concretizado na manhã desta terça-feira (19).

 

De acordo com o degustador e classificador da ACS, Onivaldo Ruas, o Geleia, essa parceria comprova a credibilidade da Associação Comercial. “A B3 é uma das pioneiras na classificação e certificação de café. Trazer para cá essa arbitragem mostra o quanto a casa é respeitada”.

 

Geleia explica que durante a análise é feito o processo de identificação padrão: cheiro, cor, aspecto, percentual de defeitos, procedência de colheita e, por último, a bebida. “Com essas avaliações, se cria o padrão de qualidade”.

 

Neste primeiro dia de amostra, três árbitros estiveram na sala de classificação e degustação da ACS para avaliar três lotes do tipo arábica. O classificador explica que para realizar a arbitragem a B3 escolhe seis árbitros, sendo três titulares e três reservas. “Caso um dos titulares não possa comparecer, já tem o reserva para fazer a análise”.

 

O processo de avaliação costuma ser rápido. “Nestes lotes fizemos a avaliação de manhã e enviaremos o laudo ainda hoje. Mas, temos o prazo de até dois dias para enviar o resultado”, explica.

 

Entenda para que serve o laudo

 

O classificador explica que o laudo, na maioria das vezes, serve para o produtor que quer constatar em qual tipo e classificação o café dele se enquadra. “A análise física e sensorial de um café vai determinar o seu valor no mercado e isso tem impacto direto sobre a remuneração do produtor. Para alcançar preços mais elevados é preciso produzir cafés melhores”.

                                       





Rua XV de Novembro, 137 - Centro Histórico, Santos / SP - CEP: 11010-151
E-mail: acs@acs.org.br - Telefone: (13) 3212-8200 - Fax: (13) 3212-8201

desenvolvido por marcasite