21/02/2011

Violência já deixou 233 mortos na Líbia, diz organização de direitos humanos

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

O número de mortos nos quatro dias de confrontos entre manifestantes e as forças de segurança da Líbia chegou a 233, informou a organização Human Rights Watch. Fontes ouvidas pela organização em dois hospitais na cidade de Benghazi, a segunda maior do país, relataram que mais de 60 pessoas morreram apenas no domingo (20), um dos dias mais violentos dos protestos.

As manifestações chegaram a capital líbia, Trípoli, pela primeira vez e intensos tiroteios foram ouvidos na região central e diversos bairros da cidade, informaram testemunhas e um jornalista da agência de notícias France Presse (AFP).

Os disparos se intensificaram assim que terminou o discurso, transmitido pela televisão estatal, de Saif Al Islam Gaddafi, filho do ditador líbio, Muammar Gaddafi, no qual advertiu que o país estava à beira da guerra civil e que se corre o risco de que ocorra um banho de sangue.

Saif al Islam Gaddafi reconheceu que várias cidades do país, entre elas Benghazi e Al Baida, no leste, enfrentam violentos combates e que os responsáveis pelos distúrbios tomaram posse de armas milirares. De acordo com a emissora de TV CNN, os opositores ao regime de Muamar Gaddafi usaram um carro com explosivos e um tanque para atacar um acampamento militar em Benghazi.

O filho do ditador mencionou o fato durante o discurso: “Neste momento, os tanques se deslocam em Benghazi dirigidos por civis. Em Al Baida, as pessoas levam fuzis e muitos depósitos de munições foram saqueados. Temos Armas, o exército tem armas, as forças que querem destruir a Líbia têm armas", disse Saif al Islam Gaddafi, segundo quem milhares de pessoas se dirigem para Trípoli. "Se todos estão armados, é guerra civil", afirmou.

Brasileiros

Mais de 120 brasileiros, funcionários da construtora Queiroz Galvão, estão em Benghazi. A chancelaria brasileira tenta, através de seu embaixador na Líbia, obter permissões para retirar os funcionários da construtora, informou à agência de notícias AFP uma fonte oficial.

Milhares de pessoas vêm protestando nos últimos dias no leste do país contra o governo do coronel Muammar Gaddafi, no poder há 42 anos.

*Com agências internacionais

Fonte: Uol - 21/2/2011
Voltar

Leia também

Deputada leva à ANS pleito da Associação Comercial de Santos, Diário do Litoral, 21/10/2021

Associação Comercial de Santos promove agenda de sustentabilidade no próximo dia 28

CAFÉ: Exportação dos Cafés do Brasil atinge 29,7 milhões de sacas no acumulado de nove meses

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.