Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

20/07/2011

Sob vaias, Cameron defende suas ações em escândalo de grampos

DE SÃO PAULO

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, foi ao Parlamento nesta quarta-feira para esclarecer suas ações e envolvimento com o escândalo de escutas ilegais e propinas a policiais alegadamente feitas pelo tabloide "News of the World".

Cameron fez uma declaração acompanha de muitas vaias dos parlamentares na Câmara dos Comuns e forçou o presidente da Casa a interromper o primeiro-ministro e pedir silêncio --um sinal de que a polêmica das práticas ilegais do tabloide já o afetam diretamente.

O momento mais tenso foi quando Cameron explicou a contratação de Andy Coulson, ex-editor do tabloide na época das escutas, para ser seu diretor de Comunicações e porta-voz.

Coulson é suspeito de ter aprovado o uso das escutas ilegais e do pagamento de propina aos policias por seus jornalistas em troca de informação exclusiva. Ele chegou a ser detido na semana passada para prestar depoimento à polícia.

Cameron defendeu o bom trabalho de Coulson como seu porta-voz e disse que acredita na premissa de que as pessoas são inocentes até que se prove o contrário. Ele, contudo, se afastou das denúncias e disse que, caso seja comprovado o envolvimento do ex-editor, ele terá mentido a todos.

"Se for comprovado que Coulson está envolvido nas escutas ilegais, ele terá mentido não só para mim, mas para a polícia e para o comitê [de Cultura Mídia e Esportes, que investiga os grampos]. Ele enfrentará todas as acusações", ressalvou Cameron, acrescentando que, neste caso, Coulson "deverá grandes desculpas".

Cameron disse ainda que sente muito pelo "furor" que a contratação de Coulson causou. "Eu nunca ofereceria a ele o cargo e eu espero que ele não teria aceitado se soubesse o que aconteceria. Mas você não faz decisões com base no futuro e sim no presente. Você vive e você aprende e, acreditem em mim, eu aprendi", disse.

CONHECIMENTO

Cameron respondeu ainda às duras críticas da oposição de que se recusou a receber informações da investigação da Scotland Yard sobre as escutas ilegais realizadas pelo "News of the World".

Cameron disse que Ed Llewellyn, seu chefe-de-gabinete, agiu de maneira apropriada quando disse ao número 2 da Scotland Yard John Yates que ele não queria um resumo da investigação policial sobre o tema.

"Minha equipe se comportou de maneira apropriada. Eu falei que não seria apropriado dar a mim ou à minha equipe qualquer informação privilegiada. Se eles tivessem pedido ou recebido informação privilegiada, haveria revolta", tentou justificar Cameron, sob intensas vaias da Casa.

"Se houvesse informação que o nº 10 [da Downing Street, a sede do governo] buscava interferir em uma investigação em andamento, haveria revolta", disse.

Fonte: Folha / Uol - 20/7/2011
Voltar

Leia também

Inscrições abertas para a 75º turma do curso de Classificação e Degustação de Café

CAFÉ: Levantamento destaca mudanças climáticas e de volume da safra brasileira de café em 2023

CAFÉ: Café continua em alta, mercado é comprador, mas produtor ainda limita vendas

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.