Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

02/08/2012

Senso de urgência para crescer

Marcelo Lacerda - Presidente da Lanxess no Brasil

O Brasil encontra-se em uma fase auspiciosa e reúne uma série de fatores propícios ao seu desenvolvimento. Vivemos uma democracia estabilizada, atingimos e desfrutamos da tão almejada estabilidade econômica e possuímos um representativo mercado consumidor interno.

Entretanto, as incertezas que permeiam o ambiente internacional conferem ao Brasil desafios acerca de sua capacidade de aceleração do seu crescimento.

É preciso que nós, brasileiros, tenhamos incorporado em nosso dia a dia senso de urgência para corrigir obstáculos imprescindíveis à competitividade, que será, definitivamente, o fator de diferenciação junto aos demais concorrentes na escolha por parte do investidor onde colocará seus ativos.

Nesse sentido, a atividade industrial brasileira, com foco na redução do Custo Brasil e no estabelecimento de condições basilares à transformação do setor no país, terá a representatividade no todo do PIB.

Considerando-se uma expansão anual do PIB de 5,5%, de acordo com o Mapa Estratégico da Indústria 2007-2015, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a renda per capita do Brasil crescerá a uma taxa anual de 4,5%. Neste processo, a indústria brasileira, que responde por 22% do PIB do país, tem um papel preponderante.

A indústria tem um papel fundamental na geração de valor agregado, o que a torna particularmente suscetível às ineficiências da infraestrutura.

Por exemplo, a indústria química brasileira, pela sua acomodação histórica, esteve baseada em polos que se localizam a longas distâncias dos principais mercados.

Fator de incremento regional, os polos demandam, para o seu funcionamento e a sua competitividade, um alto nível de integração logística e condições eficientes de transporte. Entretanto, atualmente esse alcance da competitividade sistêmica depara-se com insuficiências importantes e custos elevados.

É necessário que esse grave problema, que tolhe as empresas químicas e o conjunto da economia brasileira, seja equacionado com urgência, de maneira a abolir o seu ônus à competitividade.

Ao lado dessa questão, premente e imediata, existem duas outras que também devem ser equacionadas desde já.

A primeira é a necessidade de se internacionalizar os preços das matérias-primas, tornando-as mais competitivas. A segunda, refere-se aos elevados custos com energia que, apesar de ser uma das mais limpas do mundo, é extremamente cara, para ser mais preciso, a segunda mais cara do mundo.

Boas referências são os estudos elaborados pela CNI, intitulados "A Indústria e o Brasil - uma agenda para crescer mais e melhor", que apresenta a aspiração da indústria e a sua visão sobre o Brasil, com foco nas prioridades para 2011-2014, bem como o "Pacto Nacional da Indústria Química", da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), que define os compromissos da indústria química com o desenvolvimento econômico e social do país, e aponta os principais entraves que freiam as decisões dos investidores, nacionais e estrangeiros, em ampliar os negócios no setor químico brasileiro.

Marcelo Lacerda é presidente da Lanxess no Brasil

Fonte: Brasil Econômico / 02/08/2012

Voltar

Leia também

Auditores fiscais de Santos passam por capacitação em congresso, PREFEITURA DE SANTOS, 26/09/2022

CAFÉ: Após baixas, café abre semana monitorando financeiro e chuvas no BR, mas com poucas variações em NY

ELEIÇÕES: Abstenção pode ser decisiva ao resultado eleitoral

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.