Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

09/03/2022

PETRÓLEO E GÁS: Política para preços afetará investimento, afirma IBP

Fonte: Valor Econômico

Até investimentos na área de petróleo já em em andamento no país podem ser afetados, segundo setor

As sinalizações que o governo brasileiro der a respeito dos preços de combustíveis nos próximos dias vão definir as decisões de investimentos das empresas do setor de petróleo e gás no Brasil, afirmou o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Eberaldo de Almeida Neto. O executivo disse que eventuais intervenções nos preços podem levar a uma postergação dos investimentos no país, inclusive daqueles que já estão em andamento.

“Não existe limite para o intervencionismo. Falta de transparência afugenta o investidor. Isso impacta o fluxo externo estrangeiro direto, que é importante inclusive para apreciar a moeda”, disse em entrevista ao Valor.

Durante uma apresentação deputados e senadores da Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE) na tarde de ontem, o executivo apontou que manter a gasolina e diesel ao longo de 2021 nos patamares de dezembro de 2020 teria custado R$ 113 bilhões. Ele afirmou que há múltiplos fatores para os combustíveis estarem caros hoje, mas que os principais são a alta do barril do petróleo e o dólar valorizado em relação ao real.

A crise entre Rússia e Ucrânia nas últimas semanas levou a um forte aumento dos preços do petróleo no mercado internacional e gerou debates sobre preços de combustíveis no Brasil. Ontem, o barril tipo Brent, principal referência no mercado internacional, encerrou o dia a US$ 127,98.

“É hora de o Brasil mostrar que respeita as leis de mercado. Quanto mais investimento externo o país receber, mais apreciada vai ser a moeda e mais poder de compra vai ter o cidadão. No passado já enfrentamos preços de petróleo a US$ 125 o barril, mas o câmbio era quase metade do que é hoje. O poder de compra do brasileiro era maior por causa do câmbio”, disse.

Numa tabela apresentada aos parlamentares ontem, Almeida Neto mostrou que o petróleo já esteve cotado US$ 101,21 em agosto de 2014, patamar quase idêntico ao de 24 de fevereiro de 2022, mas a diferença de câmbio nessas duas datas tornou o barril muito mais caro para os brasileiros hoje. Na data destacada em 2014, o Brent custava R$ 295,74 aos brasileiros. Já em 2022, custava R$ 518,34.

De acordo com Almeida Neto, a tendência é que os preços do barril continuem altos, com potencial para ficar acima dos US$ 90 por pelo menos mais um ano. Na visão dele, a forma como o país lidar com a atual alta de preços vai afetar a atratividade do terceiro ciclo da oferta permanente de áreas de exploração e produção da Agência Nacional do Petróleo (ANP), agendada para abril, assim como a venda de refinarias da Petrobras.

Ele lembrou que estatal é praticamente a única empresa a atuar no refino no país e está com operação superior a 90% em suas fábricas, quando o patamar ideal seria em torno de 70%. “Há pouco investimento privado porque há medo de controle de preços, como já houve no passado”, afirmou.

Almeida Neto lembrou defasagens entre os preços de combustíveis no mercado interno e externo podem levar a desabastecimentos, pois inibe a atuação de importadores, que são responsáveis por suprir de 15% a 20% da demanda interna de diesel e gasolina.

O governo brasileiro avalia no momento a possibilidade de subsidiar os combustíveis usando os dividendos e royalties pagos pela Petrobras. Segundo Almeida Neto, uma iniciativa desse tipo não seria uma intervenção no mercado, mas é complexa, por questões tributárias e logísticas. O IBP defende que subvenções sejam pontuais e focadas em consumidores de baixa renda. “O subsídio tinha que ser direcionado para aqueles que estão sofrendo mais. Seria mais efetivo, além de ter um custo muito menor”, disse.

 

Voltar

Leia também

ECONOMIA: Riscos aumentam, mas cenário para o agro até 2032 segue favorável

PORTO: Empregados da SPA aprovam acordo e encerram greve

CAFÉ: Lavouras brasileiras de café devem render R$ 63 bi no atual ciclo, projeta Embrapa

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.