Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

17/01/2012

ONU reduz previsão de crescimento do Brasil para 2,7% em 2012

Organização alerta que a economia mundial está à beira de recessão; nesse caso, País cresceria apenas 0,5%

Gabriel Bueno e Jamil Chade, correspondente de O Estado de S.Paulo

GENEBRA - A Organização das Nações Unidas (ONU) alerta que a economia mundial está à beira de uma recessão, e reviu para baixo inclusive a previsão de expansão econômica para o Brasil em 2012.

Na melhor das hipóteses, o Brasil crescerá 2,7% neste ano, abaixo da média latino americana e um dos cinco países da região com a menor taxa de expansão.

Em relatório divulgado em meados do ano passado, a previsão da ONU para crescimento do Brasil em 2012 era de 5,3%. O corte na previsão para o País foi, portanto, de quase a metade da estimativa anterior.

Em um cenário pessimista para a economia mundial, a ONU alerta que o desempenho brasileiro seria ainda pior. Caso a Europa não consiga resolver seus problemas, o Brasil cresceria apenas 0,5% em 2012.

No texto, a ONU aponta que "as economias em desenvolvimento e economias em transição" devem seguir como motor para o crescimento mundial, crescendo em média 5,6% em 2012 e 5,9% em 2013. Apesar disso, o documento destaca que essas nações seguem vulneráveis às condições econômicas dos países desenvolvidos. "A partir do segundo trimestre de 2011, o crescimento econômico na maioria dos países desenvolvidos e nas economias em transição começou a desacelerar notavelmente, para um nível de 5,9% para este ano", destaca o texto.

Para a América Latina, a previsão para 2012 é de crescimento de 3,6%, e de 4,5% no ano seguinte. No caso do Brasil, a previsão para 2013 é de alta de 3,8% no PIB.

O documento destaca que, entre as principais nações em desenvolvimento, China e Índia devem permanecer com PIBs robustos, mas desacelerando. "Na China, o crescimento desacelerou de 10,4% em 2010 para 9,3% em 2011, e a projeção é que reduza mais para abaixo de 9% em 2012-2013. A economia da Índia é esperada para expandir entre 7,7% e 7,9% em 2012-2013, uma redução dos 9,0% em 2010", afirma o texto.

"Brasil e México devem sofrer desacelerações econômicas mais visíveis", afirma o documento, citando que o avanço no PIB do País já foi reduzido pela metade em 2011, para 3,7%, após uma forte alta de 7,5% em 2010, e deve desacelerar mais para 2,7% em 2012. No caso mexicano, a economia desacelerou para 3,8% de aumento no PIB em 2011 e deve desacelerar mais, para 2,5%, em 2012.

As mais recentes previsões constam do relatório World Economic Situation and Prospects 2012 (Situação Econômica Mundial e Perspectivas), desenvolvido pelo Departamento de Temas Econômicos e Sociais, pela Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) e pelas cinco comissões regionais da ONU.

Pessimismo

A previsão da ONU é bem mais pessimista que as expectativas do mercado financeiro. Pesquisa Focus divulgada ontem mostra que a média das projeções para o crescimento do País nesse ano é de 3,27%.

Atento ao cenário mais fraco para a economia, o governo já começou a traçar com sua equipe uma estratégia para acelerar a expansão do PIB para 4,5% este ano, nível mínimo que cobra a presidente Dilma Rousseff.

Novas medidas voltadas para o estímulo ao crédito deverão ser acionadas mais uma vez para garantir um crescimento maior, sobretudo no segundo semestre deste ano.

Fonte: O Estado de S. Paulo - 17/1/2012

Voltar

Leia também

CAFÉ: Assinado o novo Acordo Internacional do Café com contribuições de representantes da cadeia de café do Brasil

CAFÉ: Depois de queda expressiva, arábica e conilon voltam a subir nesta 6ª feira

ELEIÇÕES: Cai número de votos nulos e em branco na Baixada

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.