Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

10/07/2012

Obras do PAC representam 18% do total da demanda por licenciamento

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) passou a ser um divisor de águas para o Ibama na hora de estabelecer prioridades de licenciamento ambiental. O órgão trabalha hoje sobre 1.694 processos de licenciamento. Desse total, 18% recebem o carimbo do PAC. Apesar dessa participação relativamente pequena frente a tudo o que o instituto tem que analisar, é nesse conjunto de empreendimentos que estão concentrados mais de 90% do esforço do Ibama.

"O PAC tem sido um fato decisivo para dar uma sinalização mais clara de nossas prioridades. Isso tem ajudado a organizar a agenda", disse o presidente do Ibama, Volney Zanardi.

Nos últimos dez anos, o Ibama passou a ser pressionado por um forte aumento nos pedidos de licenciamento. Em 2002, o órgão analisou 464 processos. Cinco anos depois, esse volume saltou para 1.075 solicitações, chegando a 2011 com recorde de 1.719 registros. Certamente, esse volume será superado neste ano. Até a semana passada, 1.694 processos estavam acumulados dentro do Ibama.

Segundo Gisela Forattini, diretora de licenciamento do instituto, foram efetivamente emitidas 630 licenças no ano passado. Apesar das reclamações insistentes de empresas e do próprio quanto à lentidão da autarquia em liberar os empreendimentos, Forattini faz um balanço positivo do desempenho. "A nossa marca é de 2,5 licenças liberadas por dia útil ao longo do ano passado", disse.

A agilidade do Ibama é aguardada especialmente por empresas do setor de infraestrutura. No primeiro semestre deste ano, o órgão ambiental emitiu 287 licenças, com destaque para projetos de hidrelétricas, rodovias, linhas de transmissão e ferrovias. Alguns empreendimentos de maior porte têm exigido um tratamento especial. É o caso da usina hidrelétrica de Belo Monte, em construção no rio Xingu, no Pará, que conta com uma comissão exclusiva de técnicos. "Belo Monte está sendo um aprendizado para todo mundo. Nos momentos de pico, já reunimos uma equipe com 24 técnicos de diferentes diretorias", afirmou.

Um balanço do instituto aponta que, de um total de 39 usinas hidrelétricas previstas para serem viabilizadas entre 2014 e 2019, 28 passarão pelo crivo do órgão federal - as demais serão licenciadas por gestores estaduais. Isso significa que, dos 33,2 mil megawatts (MW) que serão adicionados à potência energética nacional, mais de 31,5 mil - o equivalente a 94,7% - serão analisados pelo Ibama.

Os números também são consideráveis no setor de transportes. Até 2015, o órgão tem a meta de licenciar 8 mil km de estradas. Outros 8,4 mil km estão previstos após 2015. No segmento de ferrovias, a extensão é ainda maior. Nos próximos três anos, 12,7 mil km de malha serão avaliados pelo Ibama. Mais 9,2 mil quilômetros de ferrovia estão na fila para receber seu licenciamento a partir de 2015. (RB e AB)

Fonte: Valor 

Voltar

Leia também

Auditores fiscais de Santos passam por capacitação em congresso, PREFEITURA DE SANTOS, 26/09/2022

CAFÉ: Após baixas, café abre semana monitorando financeiro e chuvas no BR, mas com poucas variações em NY

ELEIÇÕES: Abstenção pode ser decisiva ao resultado eleitoral

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.