09/06/2011

O padrão de crescimento em 2011

Júlio Gomes de Almeida - Consultor do Iedi e professor da Unicamp

O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre foi positivo. A economia avançou 1,3% com relação ao último trimestre do ano passado, contra apenas 0,8% no trimestre anterior.

Não foi só isso. A indústria melhorou e a agropecuária também, enquanto o setor de serviços manteve sua liderança no crescimento global.

O investimento evoluiu bem mais e o consumo bem menos do que vinha ocorrendo, sugerindo que a inflação maior deste ano decorre mais do "choque" de commodities e de fatores pontuais do que de um maior aquecimento da economia, embora o nível da atividade continue alto.

Os novos dados do PIB também já dizem algo sobre o perfil do crescimento em 2011. O crescimento econômico atual, na faixa de 4%, pode prevalecer para o restante do ano.

Trata-se de uma trajetória moderada, bem inferior à de 2010 (7,5%) e que tem à frente o setor de serviços (expansão de 4%) onde o comércio cresce mais (5%). Só depois aparece a indústria (3,5%) e a agropecuária (3%), mas nesse caso, é provável que o resultado melhore.

O detalhe é que dentro da indústria, a manufatura tem desempenho muito inferior: 2,5%.

Em suma, a economia neste ano deve ser puxada pelos setores de bens não transacionáveis com um dinamismo apenas modesto da transformação industrial. Se isso se confirmar, o ano de 2011 estará contribuindo para reforçar a tendência da "especialização" precoce da economia brasileira em uma "economia de serviços".

No provável padrão de crescimento do ano, aparece ainda com destaque a moderação do consumo com avanço que pode ser inferior a 6%. As despesas de consumo das famílias aumentaram muito no período de recuperação à crise, culminando com uma elevação real de 7,5% no último trimestre de 2010.

A desaceleração é obra das "medidas macroprudenciais" que, independentemente dos juros básicos, contiveram o crédito para as pessoas físicas. Ao contrário do que muitos diziam, as políticas do governo nessa área funcionaram e hoje colaboram para conter o consumo.

No investimento, a expansão no primeiro trimestre, próxima a 9%, pode se consolidar no ano como um todo se os empresários não refrearem seus planos de inversão temendo uma desaceleração maior do crescimento.

A nosso ver, o crescimento na casa de 4% ameniza o risco de uma desaceleração forte das inversões, mas há outro problema que deve ser levado em conta: a confiança dos empresários não para de cair em razão do grande ímpeto das importações favorecidas pelo câmbio.

A política econômica precisa ter presente que é muito difícil reerguer os investimentos após uma frustração das expectativas empresariais e, por isso, deve evitar uma desaceleração maior do Produto Interno Bruto, assim como a valorização excessiva da moeda.

De resto, o ano de 2011 deverá reproduzir o fosso entre uma progressão relativamente pequena das exportações de bens e serviços e um dinamismo muito maior das importações, o que não é nada bom, pois quase sempre esse padrão leva, cedo ou tarde, a crises cambiais.

---------------------------------------------------------

Julio Gomes de Almeida é consultor do Iedi e professor da Unicamp

Fonte: Brasil Econômico - 9/6/2011
Voltar

Leia também

CAFÉ: Exportação dos Cafés do Brasil atinge 29,7 milhões de sacas no acumulado de nove meses

ECONOMIA: Selic deverá atingir 8,75% para controlar a inflação

PETRÓLEO E GÁS: Produção de petróleo e gás no pré-sal é recorde em setembro

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.