Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

13/02/2012

Hipotecas engasgadas nos EUA

José Paulo Kupfer

O deprimido mercado imobiliário é a grande pedra no sapato dos esforços para recuperar a economia americana. Com a crise, que começou com o estouro de uma endoidecida bolha imobiliária, já foram executadas, apenas nos últimos dois anos, cerca de dois milhões de hipotecas. De 2008 para cá, os preços dos imóveis residenciais, nos Estados Unidos, experimentaram um queda média de 30%.

Como destacou o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, em discurso para empresários da construção civil, nesta sexta-feira, “as condições do setor de moradia são um grande obstáculo a uma recuperação mais acelerada”. Isso explica em parte o interesse do governo em desatar o mais rápidos possível o grande nó das hipotecas impagáveis, que continuam a assombrar os americanos e estão na raiz da lentidão no ritmo da retomada econômica.

Está cada vez mais difícil e demorado executar hipotecas de proprietários inadimplentes. Nos últimos cinco anos, a redução do total de dívidas acumuladas pelas famílias já chega, nos Estados Unidos, a US$ 600 bilhões. O detalhe é que dois terços desse volume é representado por calotes, na imensa maioria referentes a dívidas imobiliárias.

Os inadimplentes aprenderam a driblar as execuções de hipotecas e os bancos estão encontrando cada vez mais dificuldade em tomar as casas de seus devedores. O processo, atualmente, pode levar mais de três anos. Instituições financeiras, diante desse quadro, estão oferecendo “prêmios” em dinheiro a devedores que vendam mais rápido suas casas e se acertem com seus emprestadores.

Ontem, o próprio presidente Barack Obama anunciou um acordo com cinco grandes bancos, que estavam sendo investigados por práticas abusivas no setor de hipotecas. Serão US$ 26 bilhões, entre pagamentos em dinheiro e reestruturação de dívidas, a maior parte com o objetivo de reduzir dívidas e imobiliárias e evitar execuções.

O acordo foi uma forma oferecida aos bancos para que cessassem as investigações e, assim, fossem evitadas multas potenciais mais altas. Outros bancos estão na ponta da agulha para fechar acordos do mesmo tipo.

Curiosidade: as ações do Bank of America, um dos cinco grandes com os quais o governo fechou esse primeiro acordo, subiram nesta sexta-feira.

Segundo Obama, este é apenas um acordo inicial, já que as investigações em outras instituições e a busca de novos acordos prosseguirão. Existem, não custa lembrar, mais de US$ 250 bilhões em hipotecas em processo de execução e perto de cinco milhões de hipotecas em situação de risco.

Fonte: O Estado de S. Paulo - 12/2/2012

Voltar

Leia também

Associação Comercial promove II Seminário Internacional Universidade- Empresa da Baixada Santista, SANTAPORTAL, 07/10/2022

Associação Comercial realiza evento sobre tecnologia quântica

Previsão Oceanográfica

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.