Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

24/01/2012

Economia criativa

Andrea Matarazzo - Secretário estadual da Cultura de São Paulo

A economia brasileira surgiu das atividades extrativistas e agrícolas, consolidou-se no século passado com a indústria e, mais recentemente, uma parcela da produção nacional vem se concentrando nos setores de comércio e serviços.

Nos últimos anos, outra área vem surgindo com força total, principalmente nas capitais: a economia criativa.

Novidade nesse panorama, a economia criativa pode ser definida como o ciclo que engloba criação, produção e distribuição de bens que têm a criatividade como sua matéria-prima.

Neste conceito, o talento e a habilidade de grupos ou indivíduos são os insumos primários de todo um setor que se baseia no conhecimento para criar riqueza, emprego e renda.

Isso inclui desde as manifestações culturais tradicionais ao mercado da arte, passando pela publicidade, meios de comunicação de massa, mercado editorial, arquitetura e design.

A cidade de São Paulo, assim como várias grandes cidades brasileiras, é um bom exemplo do movimento criado pela economia criativa.

Hoje, cerca de 10% do produto interno bruto da capital paulista é gerado neste campo. Trata-se de um setor que surge e se desenvolve oferecendo, fundamentalmente, empregos formais e bem remunerados.

No contexto mundial, algumas cidades, como Londres, Berlim e Barcelona, passaram a exercer políticas públicas de aberto favorecimento à instalação das atividades ligadas à economia criativa, e, com isso, recuperaram prestígio, geraram empregos, atraíram turistas, ganharam capacidade de investimento público e qualidade urbana.

Os governos - federal, estaduais e municipais - podem e devem seguir o exemplo europeu para que as cidades brasileiras alcancem posição favorável para o desenvolvimento da economia criativa, com compartilhamento de responsabilidades e investimentos.

Na divisão de competências tradicionalmente praticada entre as esferas de governo, muitas vezes entende-se que o estabelecimento de políticas econômicas não é atribuição das prefeituras.

De fato, a União e os Estados estão melhor equipados para isso. Mas as prefeituras contam com uma série de instrumentos, tanto fiscais, como urbanísticos e administrativos, que devem ser utilizados para fortalecer este segmento da economia.

As possibilidades de ação são imensas. Cito algumas ideias: estabelecimento de polos tecnológicos com foco em empresas de design, animação, cinema, publicidade; oferecimento de incentivos fiscais específicos para atividades com grande capacidade multiplicadora; revitalização de centros urbanos, oferta de facilidades para as atividades que usem e valorizem a paisagem urbana; oferta de incentivos fiscais para que atividades da economia criativa se instalem e usem áreas urbanas decadentes; o apoio à micro empresa e ao empreendedorismo; a redução da burocracia e a racionalização de processos administrativos.

Todos estes são exemplos de políticas poderosas e que devem ser exercidas em favor das atividades ligadas à economia criativa, um nicho crescente de empregos, renda e desenvolvimento no Brasil contemporâneo.

----------------------------------------------------------
Andrea Matarazzo é secretário estadual da Cultura de São Paulo

Fonte: Brasil Econômico - 24/1/2012

Voltar

Leia também

Associação Comercial realiza evento sobre tecnologia quântica

Previsão Oceanográfica

Encontro em Santos discute novidades da tecnologia e inovação, PREFEITURA DE SANTOS, 06/10/2022

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.