Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

04/10/2011

E a reforma política?

Murillo de Aragão - Cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas

Considerada a mãe de todas as reformas, a reforma política continua tramitando na Câmara e sendo alvo de esforços periféricos para que se torne realidade.

Na última quinta, o deputado Henrique Fontana (PT-RS), relator da matéria na Câmara, apresentou uma série de modificações em seu anteprojeto e acolheu emendas enviadas pelos partidos à versão inicial proposta por ele em agosto. O objetivo foi conquistar mais apoio, cujo eixo central, conforme seu relatório, é o financiamento público exclusivo de campanha.

Entre as alterações está a redução do mandato dos senadores (de oito para quatro anos) e da idade mínima para assumir o cargo (de 35 anos para 30, como governadores e vice-governadores).

O novo relatório prevê ainda a realização de segundo turno para prefeito nos municípios que tenham mais de 100 mil eleitores. E reduz de um ano para seis meses o prazo mínimo de primeira filiação partidária para que seja possível candidatar-se.

Foi ampliada a punição para os partidos que não cumprirem a determinação de aplicar uma parte do fundo partidário em programas de promoção e difusão da participação política das mulheres e dos negros. O partido que não respeitar a norma perderá 10% da quota a que teria direito no fundo.

Amanhã, o relatório será votado na Comissão Especial. Hoje o PT promove evento na Câmara para dar amplitude ao tema. Participarão o ex-presidente Lula, os governadores Tarso Genro (PT-RS) e Sérgio Cabral (PMDB-RJ), representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), da União Nacional dos Estudantes (UNE), de centrais sindicais e de partidos políticos.

A tendência é que o relatório seja aprovado na Comissão Especial. Porém é baixa a probabilidade de que seja votado e aprovado no plenário da Câmara ainda este ano.

Lamentavelmente, não existem forças políticas expressivas para estabelecer o financiamento cidadão de campanhas eleitorais, que seria sem dinheiro público e de empresas. Os partidos teriam que ir às ruas para conquistar apoio e recursos para disputar as eleições.

Com o atual modelo (misto) ou apenas público, a política partidária irá virar um jogo burocrático. Longe das massas e a política cada vez mais dependente de quem pode capturar grande blocos de votos por força de estruturas sindicais, religiosas ou pelo exercício da funções públicas.

Outro ponto que a reforma deixa de abordar é o uso de recursos públicos federais para a manutenção de escritórios eleitorais nos estados. É o mesmo que a Câmara dos Deputados financiar com nosso dinheiro a campanha de um deputado em desfavor de alguém que não o é e deseja ser candidato.

O rol de vícios e fragilidades de nosso modelo político é imenso e, infelizmente, não está devidamente considerado. A reforma proposta avança. Mas não o suficiente. Mesmo que aprovada, a política continuará longe dos reais interesses da cidadania no Brasil.

----------------------------------------------------------

Murillo de Aragão é cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas

Fonte: Brasil Econômico - 4/10/2011
Voltar

Leia também

CAFÉ: Assinado o novo Acordo Internacional do Café com contribuições de representantes da cadeia de café do Brasil

CAFÉ: Depois de queda expressiva, arábica e conilon voltam a subir nesta 6ª feira

ELEIÇÕES: Cai número de votos nulos e em branco na Baixada

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.