Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

17/11/2011

Desafios e incentivos à cogeração

Adriano Pires - Diretor do Centro Brasileiro de InfraEstrutura (CBIE)

O crescimento da oferta de gás natural no Brasil está criando oportunidades e desafios para novos aproveitamentos do combustível.

Apesar da cogeração a partir do bagaço de cana-de-açúcar ser mais difundida no Brasil, a cogeração a partir do gás natural pode ser uma boa opção para o escoamento desse aumento da produção, além de permitir um melhor aproveitamento energético, reduzindo a energia gasta na produção das duas formas de energia, térmica e elétrica.

A cogeração é a geração simultânea e combinada de energia térmica e energia elétrica ou motriz a partir de uma única fonte energética.

A cogeração constitui-se uma das formas de geração distribuída (GD), geração elétrica realizada por pequenas unidades próximas ao consumo.

A cogeração apresenta diversas vantagens tanto para o usuário quanto para o sistema elétrico. Para o usuário, a cogeração pode reduzir os custos operacionais da energia utilizada nas empresas; pode gerar uma receita adicional com a venda de excedente de energia elétrica.

Para o sistema elétrico, a cogeração aumenta a confiabilidade e estabilidade do sistema, diminuindo a dependência do parque gerador centralizado, mantendo reservas próximas aos centros de carga e reduzindo as falhas relacionadas a transmissão e distribuição.

Principalmente na Europa e nos Estados Unidos, são concedidos incentivos para a cogeração.

Dentre os incentivos destacam-se: descontos no imposto de renda; programas de depreciação acelerada; obrigatoriedade de compra pelo sistema elétrico da energia excedente de cogeradores; tarifas especiais para venda de energia de cogeradores à rede; subsídios diretos e financiamentos subsidiados; certificados de cogeração transacionáveis e redução nas tarifas de gás natural para cogeração.

O Brasil apresenta um percentual baixo do total da geração de energia elétrica proveniente de cogeração, quando comparado com outros países do mundo. Entretanto, com desenvolvimento do setor sucroalcooleiro e da produção de gás natural, principalmente oriundo do pré-sal, esse percentual tende a aumentar.

Ainda faltam políticas governamentais e ações indutoras permanentes de incentivo a cogeração a gás natural. O setor ainda esbarra em diversas barreiras, sendo a principal, a não obrigatoriedade das distribuidoras comprarem energia de geração distribuída e, quando o fazem, o preço pago pela energia é geralmente baixo.

Outro ponto levantado pelos agentes do setor é a incerteza quanto aos preços futuros do gás natural.

Ao considerar um quadro de aumento da produção de gás natural e uma provável oferta superavitária, seria racional a adoção de políticas governamentais que encarem a geração distribuída como complemento para a geração centralizada.

Sendo assim, para o desenvolvimento da cogeração a gás natural no Brasil, faz-se necessário à ampliação da infraestrutura de distribuição de gás natural e a permanência de políticas de incentivos de longo prazo.

----------------------------------------------------------

Adriano Pires é diretor do Centro Brasileiro de InfraEstrutura (CBIE)

Fonte: Brasil Econômico - 17/11/2011

 

Voltar

Leia também

CAFÉ: Assinado o novo Acordo Internacional do Café com contribuições de representantes da cadeia de café do Brasil

CAFÉ: Depois de queda expressiva, arábica e conilon voltam a subir nesta 6ª feira

ELEIÇÕES: Cai número de votos nulos e em branco na Baixada

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.