01/06/2011

Crédito para micro e pequenas empresas

Saumíneo da Silva Nascimento - Presidente do Banco do Estado de Sergipe

As micro e pequenas empresas representam aproximadamente 98%dos estabelecimentos formais existentes na economia brasileira e necessitam tanto quanto os demais empreendimentos de crédito para o desenvolvimento de suas atividades, seja crédito para capital fixo ou crédito de funcionamento, conhecido como capital de giro.

Porém, sob o aspectomicroeconômico, um problema ronda a eficácia da concessão de empréstimos ou financiamentos para o segmento. Trata-se da assimetria de informações.

Os proprietários das micro e pequenas empresas brasileiras possuem pouco conhecimento sobre a disponibilidade das linhas de financiamento, dos diversos programas de crédito existentes de forma especial nos bancos públicos.

Mesmo coma evolução tecnológica que amplia a governança corporativa das empresas, o conhecimento específico do processo de concessão de crédito é muito menor nos empreendedores de pequeno porte que nas médias e grandes empresas.

Um exemplo é a concessão de financiamento com recursos dos Fundos Constitucionais de Financiamento existentes para os empreendedores das Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; nestes fundos existe um tratamento preferencial com taxas de juros e condições mais adequadas para asmicro e pequenas empresas.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social ( BNDES),maior banco público do Brasil para financiamento de longo prazo, tambémpossui condições diferenciadas para o segmento de micro e pequenas empresas, assimcomo os demais bancos públicos.

No entanto, falta maior intensidade de divulgação de referidas informações, principalmente na base das representações dos referidos segmentos. Com maior acesso ao crédito, o segmento de pequenas e médias poderia potencializar a geração de empregos formais.

Na atualidade, o segmento gera a maioria dos empregos formais no Brasil, tendo sintonia coma teoria keynesiana demanter o crescimento da demanda emparidade como aumento da capacidade produtiva da economia, de forma suficiente a garantir o pleno emprego no país.

Ocorre atualmente um crescimento no número de pequenas e médias exportadoras no Brasil e programas específicos de apoio à exportação para este segmento, porém ainda de muito pouco conhecimento por parte dos interessados que convivem com a assimetria de informações de forma histórica.

Julgo que temos um órgão no Brasil que pode auxiliar os bancos nessa tarefa. É o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Veja se que no site do órgão nos temas de interesse há as seguintes opções: acesso a mercado, estudos e pesquisas, lei geral, ideias de negócio, desenvolvimento terri torial, inovação e tecnologia, internacionalização e feira do empreendedor.

Entretanto, não temos o tema crédito com informações sobre empréstimos e financiamentos existentes nos bancos privados e nos bancos públicos para o segmento. Os bancos oferecem um portfólio amplo de soluções em crédito para que as micro e pequenas empresas possam atingir ummaior grau de competitividade. Além disso, há uma evolução na simplificação do processo de concessão de crédito que facilita o acesso aos recursos.

---------------------------------------------------------

Saumíneo da Silva Nascimento é presidente do Banco do Estado de Sergipe

Fonte: Brasil Econômico - 1.º/6/2011
Voltar

Leia também

Deputada leva à ANS pleito da Associação Comercial de Santos, Diário do Litoral, 21/10/2021

Associação Comercial de Santos promove agenda de sustentabilidade no próximo dia 28

CAFÉ: Exportação dos Cafés do Brasil atinge 29,7 milhões de sacas no acumulado de nove meses

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.