19/08/2011

Com crise, procura por ouro no Brasil chega a dobrar nos últimos meses

A procura por investimentos em ouro entre os pequenos investidores tem crescido de forma expressiva nos últimos meses, por conta das incertezas ocasionadas pelos desdobramentos da crise internacional.

De acordo com o diretor da Reserva Metais, José Inácio Franco, o movimento de compra do metal na instituição dobrou nos últimos meses. “Tanto entre os pequenos investidores quanto entre aqueles de maior porte, verificamos este aumento significativo”, afirma.

Na OM DTVM, a procura pelo investimento também aumentou de alguns meses para cá. Segundo o diretor administrativo da empresa, Juarez da Silva, houve crescimento de 30% no último timestre. “Nestes momentos as pessoas correm para o ouro porque ele é um investimento líquido e livre, não é passivo de ninguém”, afirma Silva.

Segundo ele, nos últimos doze meses, houve um crescimento de 500% nas vendas de ouro pela instituição. “Além do aumento da procura por conta das incertezas internacionais, este crescimento também é resultado da maior facilidade de adquirir o ouro, por meio da internet”, afirma.

Recorde de preço
No mercado internacional, a procura por ouro também tem sido grande e o preço do metal voltou a bater recorde na última quinta-feira (18), dia em que as bolsas mundiais despencaram por conta de dados negativos da economia norte-americana.

No final do dia, o preço da onça troy (unidade de medida do ouro, equivalente a 31,104 gramas) fechou acima de US$ 1.800, patamar atingido pela primeira vez na história.

Como e quanto investir
O investimento em ouro ainda é desconhecido por grande parte dos pequenos investidores brasileiros. “No final da década de 1980 e início dos anos 90, o ouro era muito mais procurado, por conta da grande inflação que o país enfrentava. Entretanto, com a estabilidade econômica, as pessoas não sabem mais como fazer este tipo de investimento”, afirma Franco, da Reserva Metais.

De acordo com ele, esta procura tem voltado a crescer impulsionada também pela maior facilidade em adquirir o metal. “Hoje é possível comprar pequenas quantidades pela internet. Você paga um boleto bancário e recebe a barra de ouro na sua residência”, afirma o executivo.

De acordo com ele, o ouro deve ser encarado pelos investidores como uma maneira de proteger o patrimônio. “Não vou falar para ninguém investir 100% do capital em ouro. O ideal é alocar entre 5% e 10% das reservas na modalidade, para ficar protegido”, finaliza.

Fonte: Uol Notícias - 19/8/2011

 

Voltar

Leia também

Deputada leva à ANS pleito da Associação Comercial de Santos, Diário do Litoral, 21/10/2021

Associação Comercial de Santos promove agenda de sustentabilidade no próximo dia 28

CAFÉ: Exportação dos Cafés do Brasil atinge 29,7 milhões de sacas no acumulado de nove meses

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.