Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

01/11/2011

Cisne negro no horizonte

Murillo de Aragão - Cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas

O mercado tende a ser míope quando se trata de política. Às vezes me pergunto se tal deficiência decorre de insuficiência intelectual - hoje mais do que comprovada com a sucessão de tolices e tragédias feitas pelo mercado financeiro e em nome dele mundo afora. Pelo menos no Brasil, a miopia não é justificada.

Entre meados dos anos 1990 e 2010, a lucratividade dos bancos foi de 196% contra 29% das empresas. O lucro extraordinário deveria ter estimulado uma visão mais reflexiva do mundo dos negócios. Não é o que acontece. O calote grego, que esperamos seja pedagógico, como foram os calotes russo e argentino, é a prova da "competência" e do "descortino" do sistema.

A capa do The Economist da semana passada foi emblemática: "nowhere to hide". Conversando com banqueiros e investidores em Londres, a sensação que tive foi a mesma que tenho em relação à oposição brasileira: cachorros que caíram do caminhão de mudança e não sabem para onde ir. Aqui, ainda bem, é tudo diferente. Os governos FHC e Lula estabeleceram padrões elevados de governança das instituições financeiras.

Pois bem, confiantes de que as coisas continuam indo bem, pouco a pouco se distanciam da política. Como bem explicou uma das melhores comentaristas econômicas do país, Thais Heredia, a demissão de Orlando Silva provou a desimportância da política para o mercado. Infelizmente, não é assim. Quem despreza a política será punido por ela.

A política tem um imenso potencial de destruição daquilo que chamamos de mercado. A prova está na produção monumental de estrume pelos organismos políticos da Europa e no resultado catastrófico que isso resultou. Nicolas Sarkozy, pateticamente, afirmou que a Grécia não poderia ter entrado na Comunidade Europeia porque deu informações falsas!

Ora bolas, será que os mecanismos institucionais comunitários e os mecanismos de análise dos gigantescos bancos europeus não foram capazes de identificar a roubada em que estavam se metendo? Não.

No afã de obter resultados e na adesão não reflexiva aos cânones ditos neoliberais, embarcaram na canoa furada e agora o erro vai custar caro para o cidadão comum europeu. Ora, o mercado financeiro brasileiro - abençoado tanto por lucros estratosféricos quanto por agentes reguladores competentes e clientes bons pagadores - não deve se afastar do que é a análise política. Vai que aparece um cisne negro?

Pois bem, antes mesmo de concluir este artigo, surgiu a notícia da doença de Lula. Na sexta-feira fiz palestra para investidores em Londres. Ao responder à pergunta sobre o que poderia dar errado no Brasil na cena de curto e médio prazos, disse que, entre o previsível - incompetência, burocracia, ineficiência - e o imprevisível - uma doença, um atentado terrorista ou coisa que o valha -, temia o imprevisível. Um cisne negro, algo fora do radar.

Infelizmente, o cisne negro apareceu: a doença de Lula. Felizmente, as chances de cura estão acima de 60%. Considerando o fato e o histórico de lutas e de sorte que acompanham Lula, tudo vai ficar bem. Não devemos, jamais, deixar de pensar em como o processo político vai funcionar.

----------------------------------------------------------

Murillo de Aragão é cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas

Fonte: Brasil Econômico - 1.º/11/2011
Voltar

Leia também

CAFÉ: Assinado o novo Acordo Internacional do Café com contribuições de representantes da cadeia de café do Brasil

CAFÉ: Depois de queda expressiva, arábica e conilon voltam a subir nesta 6ª feira

ELEIÇÕES: Cai número de votos nulos e em branco na Baixada

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.