Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

15/06/2011

Atlas da Saúde ajuda na aplicação de recursos

Luis Vicente Rizzo - Diretor-superintendente do Instituto Israelita de Ensino de Ensino e Pesquisa Albert Einstein

Fatores socioeconômicos e culturais são reconhecidos como determinantes nos processos de planejamento e gestão. O conhecimento preciso do alvo nos fornece considerável vantagem competitiva na formulação de estratégias e obtenção de resultados positivos de conquista.

É isso que toda empresa faz antes de dar qualquer passo em direção ao investimento. Afinal, as decisões de onde e como aplicar recursos não podem ser ditadas apenas por um sentimento ou opinião, mas devem ser guiadas pela informação mais precisa possível.

Na saúde, seja pública ou privada, o conhecimento das características de determinada região é fundamental para assegurar a correta identificação das necessidades populacionais e o oferecimento de serviços adequados àquelas necessidades particulares, o que reduz a iniquidade entre os diferentes grupos sociais e/ou geográficos.

Afinal, saúde é um produto social, derivado das relações sociais presentes em um dado cenário político, econômico, ideológico e cultural.

Isso já está sendo aplicado em São Paulo. Por aqui, a Prefeitura e a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein concluíram o Atlas da Saúde do Município, que - a partir do georreferenciamento - mapeou a distribuição espacial da Rede de Serviços de Saúde, sua infraestrutura e a ocorrência de doenças e fatores de risco, o que gerou um novo conceito de oferta e demanda em saúde pública.

Também são apresentados, a partir de indicadores geográficos e socioeconômicos, dados sobre mortalidade e doenças de notificação compulsória, além de mapas, gráficos e tabelas que proporcionam uma compreensão visual da distribuição dos indicadores de saúde em todo o território.

O ritmo, a distribuição etária e as causas de óbito numa população variam muito entre as diversas regiões do mundo, grupos socioeconômicos, sexo etc. A maneira como as pessoas morrem é uma boa representação das condições nas quais vivem. A coleta, análise e interpretação dos dados de mortalidade têm sido importante instrumento na avaliação e acompanhamento dos níveis de saúde de uma população.

Nesse contexto, o Atlas da Saúde surge como uma importante ferramenta de gestão, pois seus indicadores influenciam diretamente na aplicação dos recursos, por intermédio de um modelo facilmente adaptado a outras regiões. Modelo, aliás, que está sendo aplicado em Fortaleza, no Ceará, onde -com auxílio da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein - está se formatando o maior estudo epidemiológico de Acidente Vascular Cerebral do Brasil.

Quando levamos o georreferenciamento para o lado da ciência, encontramos ferramentas como a Biomednet, que permite realizar um levantamento por regiões dos cientistas que trabalham em determinadas áreas do conhecimento, assim como a quantidade e qualidade de seus trabalhos, bem como seu network de colaborações. Isso ajuda a encontrar colaboradores e traçar ações de incentivo, por exemplo.

Quão diferentes seriam as nossas decisões se tivéssemos mais e melhores informações na hora de tomá-las? Quantos recursos de tempo e dinheiro já desperdiçamos como resultado da falta de informações precisas ou mesmo adequadas?

---------------------------------------------------------

Luiz Vicente Rizzo é diretor-superintendente do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein

Fonte: Brasil Econômico - 15/6/2011
Voltar

Leia também

CAFÉ: Exportações globais de café verde caem 7,7% em dezembro, diz OIC

CAFÉ: Pesquisa demonstra Viabilidade Técnica e Econômica do Armazenamento Refrigerado de Cafés Especiais

MUNDO: Presidente do Peru apresenta novo projeto para eleições em 2023

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.