Clima e Previsão do Tempo
Santos, SP/

04/05/2011

A barreira da infraestrutura

José Sarney - Presidente do Senado

O crescimento econômico brasileiro tem pela frente um problema quase intransponível, que demanda tempo e decisão política firme. É que esbarramos no gargalo de nossa infraestrutura, insuficiente, e a existente sucateada e sem condições de uma recuperação rápida.

Não se estende somente aos aeroportos, agora na moda com a Copa e a Olimpíada - mas à malha viária que faz circular a produção.

Quando - há quase 30 anos - eu levantei a necessidade de olharmos para as ferrovias, recebi uma saraivada de leviandades, quase toda de parte de um retrógrado empresariado de São Paulo, defendendo as rodovias e afirmando que o sistema de estradas de ferro estava em declínio em todo o mundo.

Essa tese, reverberada por um grupo de políticos que olhava a sucessão e não a salvação do país, sustentava que a Norte-Sul ligava o nada a coisa nenhum.

Nunca se construiu tanta ferrovia no resto do mundo como nestas últimas décadas. A Rússia e a China estão sendo cortadas por longas linhas interligando a totalidade de seus territórios e estabelecendo cruzamentos onde o transporte modal agiliza e integra.

Ainda há a considerar o avanço da tecnologia nessa área, com os trens de alta velocidade que transportam não somente passageiros, mas mercadorias - commodities, grãos, containeres, carga geral - que, embora não necessitando de 300 quilômetros por hora, andam a cem e até a cento e cinquenta, como verdadeiras esteiras rolantes que dão vazão ao escoamento e à circulação do que se exporta, consume e produz no Brasil.

Antigamente a ferrovia era o modelo de transporte mais moderno. Depois de uma longa crise, entrou em declínio, mas hoje todos estão de acordo que é o transporte para o futuro e para o presente, que de sua ausência se ressente muito.

Pensei e estabeleci duas grandes ferrovias, além de terminar a Ferrovia do Aço e a recuperação de nossos velhos trilhos: eram os sonhos da Norte-Sul, já falada, e da Leste-Oeste, que com acordos com outros países poderia chegar até o Pacífico.

Agora leio que a coordenadora de grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agro-Industrial da Escola Superior de Agricultura Luís de Queiroz - famosa e de prestígio internacional -, professora Priscilla Nunes, diz que "o preço do frete tem uma tendência constante de alta, porque a infraestrutura logística não acompanha o crescimento da produção" e o Superintendente da Valec, Mauro Ramos, diz que o "Itaqui é um gargalo para a Norte-Sul e não tem condições de nos atender quando a ferrovia chegar ao Centro-Oeste".

Aí entramos no gargalo dos portos e basta a soma dos dois, de estradas e de portos, para barrar o crescimento do país. Temos de agir. Se não temos tsunamis, temos outras tragédias que estão aí a desafiar nossa capacidade de crescimento sustentável.

O Itaqui é o maior porto do Brasil, com projeto de expansão aprovado, mas também não anda. O Centro-Sul criou a mentalidade de que só ele existe e todos os olhos nele estão fincados.

Somos todos brasileiros, mas parece que vivemos de costas: o Sul rico e crescendo, o Norte e o Nordeste sofrendo porque não fazem parte do desenvolvimento econômico nacional.

----------------------------------------------------------

José Sarney é presidente do Senado

Fonte: Brasil Econômico - 4/5/2011

 

Voltar

Leia também

Programa ACS na TV: Eduardo Heron, Diretor Técnico do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil - CECAFÉ

CAFÉ: Principais pontos dos preços do café no mês de janeiro

CAFÉ: Café solúvel: exportação do Brasil cai em volume, mas tem receita recorde em 2022

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.