17/01/2011

Caos e desvios afetam entrega de doações após chuvas no Rio; mortos chegam a 635

DE SÃO PAULO

Hoje na Folha Há ao menos 170 toneladas de doações e milhares de voluntários. Mas a situação caótica na região serrana do Rio tem dificultado a entrega de água, comida e roupas aos moradores que mais precisam de ajuda. Também começam a surgir indícios de desvios das doações.

As informações são da reportagem de Alencar Izidoro, Marlene Bergamo e Hudson Correa publicada na edição desta segunda-feira da Folha (íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL), que aponta ainda que, em Nova Friburgo e Teresópolis, há relatos de aproveitadores que pegam doações sem precisar ou tentam comercializar produtos.

Na cidade de Teresópolis, o centro que recebe e distribui donativos é o ginásio Pedrão. Policiais militares vigiam o procedimento. "Tem gente que recebeu e não estava desabrigado. Tem gente que recebeu dez vezes a mesma coisa", diz o empresário Sérgio Epifânio, um dos coordenadores do atendimento.

O número de mortos em consequência das chuvas em cinco municípios da região serrana do Rio já chega a 635 no domingo, segundo balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil. Equipes e moradores ainda buscam vítimas.

As mortes ocorreram em Nova Friburgo (287), Teresópolis (271), Petrópolis (56), Sumidouro (19) e São José do Vale do Rio Preto (2). Inicialmente, a Prefeitura de São José do Vale do Rio Preto havia informado que quatro pessoas haviam morrido na cidade, mas a informação foi corrigida no sábado.

DESLIZAMENTO

Um novo deslizamento em Petrópolis provocou a morte de três pessoas na madrugada deste domingo. Elas ficaram soterradas na localidade do Brejal, uma área rural que está ilhada desde terça-feira (11), quando temporais devastaram a região serrana.

Até a noite deste domingo, os três corpos localizados não haviam sido identificados. À tarde, bombeiros em helicópteros tentaram resgatar as pessoas que estão no local, mas não conseguiram pousar na área por causa do risco de deslizamentos. Cerca de 70 pessoas ainda permanecem isoladas na cidade.

POLICIAMENTO

O Comando Geral da PM do Rio determinou ontem (16) a prisão de comerciantes que estiverem cobrando preços abusivos na região serrana. A medida é válida para as cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis e tenta coibir a prática de crimes contra o consumidor.

Segundo o porta-voz da Polícia Militar, coronel Lima Castro, 400 homens da corporação ajudam nos trabalhos de socorro e segurança das vítimas. Em meio a tragédia, tentativas de saque foram relatas por comerciantes.

Depois da tragédia, a população de Nova Friburgo começou a sofrer com o racionamento de comida. Assustados com a dimensão dos estragos causados pelas chuvas, os moradores passaram a tentar estocar comida, apesar da grande quantidade de donativos enviada para a região. Isso provocou uma disparada nos preços.

As chuvas também ilharam produtores rurais e destruíram plantações principalmente de verduras e hortaliças. Como consequência, os produtos já começam a sumir dos supermercados da capital fluminense e, quando encontradas, os preços mais do que dobraram em relação à semana passada.

Fonte: Folha / Uol - 17/1/2011
Voltar

Leia também

Deputada leva à ANS pleito da Associação Comercial de Santos, Diário do Litoral, 21/10/2021

Associação Comercial de Santos promove agenda de sustentabilidade no próximo dia 28

CAFÉ: Exportação dos Cafés do Brasil atinge 29,7 milhões de sacas no acumulado de nove meses

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.